quarta-feira, 17 de novembro de 2010

FORMAÇÃO DO RIO GRANDE DO SUL

CONHEÇA  A  HISTÓRIA  GAÚCHA

de

Otávio Peixoto de Melo

2010


APRESENTAÇÃO

Diz um velho ditado que  "O Saber Não Ocupa Lugar"  pois bem . . . então, vamos saber um pouquinho da FORMAÇÃO DO NOSSO RIO GRANDE DO SUL.

"Depois que Nosso SENHOR
 Balizou este mundo inteiro,
 Escolheu para potreiro
 A invernadinha dos fundo.
 E nesta região do mundo,
 Cercada a rios e oceano, ,
 Soprada pelo minuano
 E em forma de coração,
 Balizou com precisão
 O RIO GRANDE  bem pampeano."
                                                           (Valentim Pinto Flôres)


FONTES CONSULTADAS:


1 - Estampas coloridas da obra "História Ilustrada do RIO GRANDE DO SUL", da editora "CULTURA - 1998".
2 - Estampas preto-e-branco da obra "PILCHAS CRIOLLAS" de Fernando O. Assunção, da editora "Emecê - 1992".
3 - TROPEIRISMO - Interligando a Colônia Brazil. Rotas dos tropeiros ao sul.
4 - Lindas estampas de aquarela do pintor José Luzemberger - acervo da "Família Luzemberger".



COMEÇA  O  "RGS"  LUSO-BRASILEIRO

"Escolheu lugar pra um rancho
 Num local de boa aguada.
 Nem é potreiro, é invernada; 
 Nem é invernada, é este RIO GRANDE
 E por mais que a gente ande 
 Dia e noite sem descanso, 
 Lance o olhar como eu lanço, 
 Se vê matos de alto a baixo,
 Chinas bonitas, índios macho, 
 Campos fino e gado manso." 
                                                      (Valentim Pinto Flôres)


Quem escolheu o lugar para o primeiro rancho, ou "primeiro arranchamento luso-brasileiro" no RIO GRANDE, foi esse cuja estampa aparece aí em baixo.
Esse militar fundou o que hoje é a cidade de RIO GRANDE . . .


JOSÉ  DA  SILVA  PAES
Batizado aos 25-10-1679 e falecido aos 14-11-1760
Lisboa (Portugal)
Fundador de Rio Grande (RS)
O Brigadeiro José da Silva Paes e seus imediatos o Comissário Antônio de Noronha de Câmara, o Tesoureiro da Fazenda Real Pedro Jaques da Silva o Ajudante Tenente-Coronel Manuel dos Santos e Parreiras, o Capitão João de Almeida e Souza, o Capitão Manuel do Vale Pereira, o Capitão João Caetano de Barros, o Ajudante Pedro de Matos, o Alferes João Batista Ferreira, o Alferes Domingos Borges de Barros, o Alferes Antônio de Moraes, o Engenheiro Militar João Gomes de Mello (heptavô do MARAGATO), além de 4 Sargentos, 146 Soldados de Infantaria, 37 Soldados Dragões, 37 Soldados Artilheiros, 8 Tamboreros, 2 Embanderadores, 5 Marinheiros e  9 escravos, totalizando 260 pessoas - vindos da Colônia do Sacramento (hoje Uruguai), entram na barra do Rio Grande, para fundar aí um PRESÍDIO MILITAR, aos 19 de fevereiro de 1737 - sendo planejado e edificado com paliçadas e areia pelo acompanhante Engenheiro Militar - que mais tarde deu origem à cidade de RIO GRANDE. 


MILITAR 
Luso-brasileiro com fardamento de gala




UM  SÍMBOLO  GAÚCHO
                                                                                     
 "Ali soltou o seu pingo
  E atirou o pala pra trás;
  Escolheu um Capataz
  Que tivesse qualidade
  E lhe entregou pra eternidade
  Este rincão bem cercado;
  Pago por ELE abençoado
  Pra ninguém mais meter a mão,
  Pois este vasto rincão
  É o RIO GRANDE nosso estado."
                                                           (Valentim Pinto Flôres)



O LAÇADOR
Figura que nos identifica



CENTAURO de HOJE
É a figura do Gaúcho montado em seu Cavalo




PREPAROS  e  APEROS


PESCOCEIRAS  e  BUÇAIS


FREIOS


MANEIA


CABECEIRAS, CABRESTO  e  RÉDEAS


ARREIOS


CINCHA


ESTRIVO DE BOTÃO
Com bota meio-pé de garrão


ESTRIVO DE METAL
Com bota meio-pé calçada com espora nazarena


ENCILHANDO  o  PINGO


FORROS
Badanas, Pelegos  e  Cochunilhos


REBENQUES  e  MANGOS


RELHOS


ESPORAS  CHILENAS


ESPORAS  CANTADEIRAS


ESPORAS CAMPEIRAS


BOLEADEIRAS
Nhanduzeras (para bípedes)  e  Três Marias (para quadrúpedes)


MANEIRAS  DE  PORTAR  BOLEADEIRAS
Campeiro usando à meia-espaldras e boleando à longa distância (com o auxílio do pala)


LAÇO


LAÇANDO


DESGARRONEANDO






EM  FAMÍLIA


OCTAVIO PEIXOTO DE MELLO
1888-1936
Meu avô paterno
Casou-se aos 13-06-1908


 
IDÁLIA ÁLVES BELÉM
1889-1977
Minha avó paterna


Meu pai ALVISE (1914-1981)  e  meu avô OCTAVIO (1888-1936)
Chimangaços macanudos


ALVISE ÁLVES DE MELLO
1914-1981
O guapo chimango que veio a ser meu pai


MAGARETH KATHARINA  KETERMANN
1863-1942
Uma das minhas bisavós


ELISABETH KETERMANN WOLFF (1889-1971)  e  ALBINO BESKOW (1890-1960)
Meus avós maternos


ALMIRA BESKOW
1918-2003
Essa linda percanta veio a ser minha mãe


JANUÁRIO PATRÍCIO DOS SANTOS (1849-1917)  e  VICENTINA PEREIRA MACHADO (1886-1951)
Avós paternos da Dalva



JOÃO PEREIRA DOS SANTOS
1913-1972
Este guapo chimango veio a ser pai da Dalva e meu sogro


MARIA OTTÍLIA DE OLIVEIRA (1900-1969)  e  LEÔNIDAS PAULO MOREIRA (1890-1969)
Avós maternos da Dalva


ALMIRA (1918-2003)  e  ALVISE (1914-1981)
Casaram-se aos 11-09-1937
Meus genitores


OTÁVIO PEIXOTO DE MELO
1939
Na flôr da mocidade - 1959


LUCÍDIA (1922-1962)  e  JOÃO (1913-1972)
Casaram-se aos 11-11-1939
Genitores da Dalva


LUCÍDIA (1922-1962)  e  DALVA (1940)
Minha futura sogra  e  minha futura esposa - 1957


OTÁVIO (1939)  e  DALVA (1940)
Meu casório aos 23-03-1963


NICOLA (1936)  e  HELENITA (1964)
Genro e Filha, em Bolzano-Itália


HELENITA
Pilchada com "conjunto farroupilha", em apresentações pelo Uruguai


HELENITA
Quando cantora do  Conjunto Musical Essência


HELINTON (1966)  e  MADALENA (1966)
Casaram-se aos 10-02-1990
Filho e Nora


Cmt HELINTON MELO  e  Co-pi MARIA MEDEIROS
Comandante de Linhas Aéreas, no Brasil - 2005



Cmt HELINTON
Comandante de Linhas Aéreas, na Ásia - 2009


LUIZA ZANCAN DE MELO
1991
Minha neta pilchada como "prenda gaúcha atual"


JOÃO PEDRO ZANCAN DE MELO
1998
Meu neto primogênito pilchadito como "gaúcho atual"


VERA (1964)  e  DANIEL (1970)
Casaram-se aos 16-12-1994
Nora e Filho


DANIEL
Ministranto curso de engenharia aos militares (oficiais e praças), em Manaus (AM) - 2010


DANIEL
Ministrando palestra de engenharia aos militares (oficiais e praças), em Manaus (AM) - 2010 


DANIEL
Ministrando curso de engenharia aos militares (oficiais e praças), em Manaus (AM) - 2010


VICTORIA VELLOZO MELO
1998
Minha neta pilchada como "prenda gaúcha atual"


VENÂNCIO VELLOZO MELO
2003
Meu neto despilchado, chimarreando a 'lo largo' e despejando a mente


MOISÉS DOS SANTOS MELO
1976
Casou-se aos 19-12-1997
Meu filho pilchado como "gaúcho atual" - 2009



VALDIRENE PEREIRA MELO
1975
Minha nora no detalhe da pose seguinte - sua blusa com peitoril de "jabot" - 2009


VALDIRENE
Pilchada com "conjunto farroupilha" - 2009


NICOLLE PEREIRA MELO
1999
Minha neta pilchada como "filha de estancieiro" (ou fazendeiro) - 2009


MOISÉS
Servindo à ONU no Haití (Caribe) - 2009


 MOISÉS
Sendo condecorado com Medalha da ONU - 2009



MOISÉS
Recebendo as "Boas-Vindas" do seu pai - 2009


DÉBORA (1979)  e  JULIANO (1974)
Casaram-se aos 14-11-2003
Filha e Genro


DÉBORA
Pilchada de "prenda gaúcha atual" - 2008


DÉBORA
Ensinando peão a usar corretamente o lenço ao pescoço


FELIPE DE MELO ANVERSA
2006
Meu neto semi-pilchado mirando um "pássaro-metálico" (semelhante ao que matou Gardel). . . 





A COLA  do  PINGO

COLA  DO  CAVALO  ATADA  Á  MODA  "CANTA-GALO"



Instruções da "Cabanha LA MADRE"


Modos e significados de atar a cola do CAVALO

O gaúcho rio-grandense tem o hábito e lhe causa gosto especial (como que fascinação) de "andar de cola atada", como ele mesmo diz na gíria campeira. Ele imagina, mentalmente, que cada modo cause um dado efeito nesse imemorial hábito simbólico do peão de estância, no Rio Grande do Sul ...

... montando em cavalos Crioulos que regulam de 1m,42cm, porque se escolhia o reprodutor baixo, comprido e de boa periferia  todos traziam atada a cola de seu corcel, o que o campeiro muito considerava, dizendo textualmente:

"Meu cavalo é como um pensamento" (expressão até hoje usada por tradição e com orgulho).

Como se vê em linhas gerais, a cola atada embora não trazendo vantagem maior para o serviço, era mais um hábito e, especialmente, um ornamento, como pode ser o tirador, o lenço ao pescoço.

Atar a cola do redomão (cavalo de mais de três galopes) é usado para tirar as cócegas do mesmo. Usa-se, também, em tempo de grande chuvas, para passar em pântanos, evitando embarrar a cola.‘Mais do que tudo - a cola atada, em suas diversas modalidades, tem para o gaúcho um significado especial e tradicional.

O cavalo com a cola atada, por uma impressão nervosa que se comunicará ao sistema muscular e a todo o aparelho locomotor,  fica como mais ágil sentindo esse efeito.


Os 10 principais modos em voga atualmente para atar a cola são conhecidos por:

1 – Bailado

2 – Nego véio

3 – Capataz

4 – Carreira

5 – Corneta

6 – Moço bonito

7 – Capangas

8 – Uruguaio

9 – Segurança

10 - Ligeiro












DIDI MELO
1941
Meu irmão campeiro


ELISABETE MELO
1945
Minha irmã, quando Mais Prendada Prenda do RGS - 1964


JOSÉ MELO
1946
Meu irmão ginete






APETRECHOS

Meus AVIOS de Chimarrão


CHICOLATEIRAS
(Obras de funileiro)


CHALEIRA  DE  FERRO  EM  FOGO-DE-CHÃO


PANELAS  TRÍPODES  EM  FOGO-DE-CHÃO


CAÇAROLA  DE  BARRO  EM  FOGÃO-DE-CHAPA


MASCATE


VACARIA  dos  PINHAIS  
No período  Terra de Ninguém (1641-1750)


RAFAEL PINTO BANDEIRA
16-11-1740 / 09-01-1795 
Rio Grande (RS)
Comandante de Dragões
Foi o 1º Caudilho, 1º General  e  1º Estancieiro do Rio Grande de S. Pedro


SEPÉ TIARAYÚ
1722 / 07-02-1756
São Luís Gonzaga (RS)
Foi o mais importante Morubixaba guarany, porque ele era:  Cacique, Pagé e Feiticeiro ao mesmo tempo
Foi o Chefe dos guaranys, na  Guerra Guaranítica - 1754-1756
Afirmava em guarany - CO  IVI  OGUERECO  YARA 
o dito em espanhol - Tiene dueño esta tierra 
ou em português - Esta terra tem dono


CARRETA  MORADIA  DE  CHANGUEIRO
Tipo de veículo criado ao tempo do Império Romano


CAPTURANDO  e  MATANDO  BOVINOS


CHARQUEADA
1ª foi de José Pinto Martins - 1777
2º foi a de Pelotas - 1780
3ª foi a de Jaguarão -  ?
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Paredão, em Cachoeira - 30-09-1878


MANGUEIRA DE  PAU-A-PIQUE


POSTO  DE  DESCANSO


CHURRASQUEANDO


BOLICHO  DE  CAMPANHA

"Quem visse tio Anastácio
num bolicho de campanha, 
golpeando um trago de cânha 
oitavado num balcão, 
tinha bem logo a impressão 
que aquele mulato sério, 
era o RIO GRANDE gaudério 
fugindo da evolução!"
                                                                      Jayme Caetano Braun



No interior do bolicho o guitarreiro payeia, milongueia e tangueia


RANCHO  DE  CARPETA
Onde se jogava a tava (osso)


DRAGÃO
Aquartelados em Rio Grande  e  Rio Pardo






TROPEIRISMO
1732-1750



Não havia caminhos e nem estradas para o sul do Brazil
Eram abertas picadas para passar


PRIMEIRO  CAMINHO
De Socoracaba (SP) até Cruz Alta (RS)


As Gerais (Minas) precisava de MULAS para transportar em albardas os minérios lá extraídos, ao Rio de Janeiro (RJ)
Esse tipo de besta abundava no Sul


As tropeadas eram difíceis, porque os escravos transitavam à pé e isso demandava tempo




PRIMEIRAS  IMIGRAÇÕES


IMIGRANTES 
Açorianos (1742), Alemães (1824), Italianos (1870), Poloneses (1886), Israelitas (1904), Japoneses (1908), Sírios e Libaneses (1940), etc.


COLONOS
Desbravando as matas com os roçados 




SEDES  DO  GOVERNO  GAÚCHO
em Porto Alegre


PALÁCIO DE BARRO 
1773
1ª Sede do Governo Gaúcho


PALÁCIO DE BARRO 
1789
2ª Sede do Governo Gaúcho


PALÁCIO FORTE APACHE  I 
1857
3ª Sede do Governo Gaúcho


PALÁCIO FORTE APACHE  II 
1899
4ª Sede do Governo Gaúcho


Gabinete do Presidente da Província do RIO GRANDE


PALÁCIO PIRATINÍ 
1921
5ª Sede do Governo Gaúcho


SAGUÃO  DE  ENTRADA
Palácio Piratiní


SALÃO  NEGRINHO  DO  PASTOREIO
Palácio Piratiní


SALÃO  DE  CONFERÊNCIAS
Palácio Piratiní


GABINETE  DO  GOVERNADOR  
Palácio Piratiní


GABINETE  DO  GOVERNADOR  
Palácio Piratiní


JARDIM  INTERNO
Palácio Piratiní 




LIBERTÁRIOS




JOSÉ  GERVÁSIO  ARTIGAS
1764-1850
Montevidéo (Uruguai)
"El protector de los pueblos libres"
Herói nacional uruguaio, líder da sonhada PÁTRIA  GAÚCHA que seria formada pelo Uruguai, província do Rio Grande de S. Pedro (Brazil) e pelas províncias de Entre Rios, Corrientes e Missiones (Argentina).
Seu imediato era o gaúcho cachoeirense
Alexandre Luiz de Queiróz e Vasconcelos -o Quebra
1772-1833




BENTO  GONÇALVES  DA  SILVA
23-09-1788 / 18-07-1847
Triunfo (RS)
Principal líder do Movimento Farroupilha 20-09-1835 / 28-02-1845, eleito Presidente da República Rio-Grandense, aos 06-11-1836 
Esse líder detestava estrangeirismos, porque conhecia a seguinte máxima: 
“... toda a nação é ciosa de seus usos e costumes e que, a que muda caprichosamente, só por imitar o estrangeiro, já perdeu o sentimento de sua independência e caminha para a sua decadência”. 
J. I. ROQUETTE - Manual do bom-tom – pág. 69


CASA  EM  QUE  NASCEU  BENTO
Triunfo (RS)


JOSÉ  GOMES  DE  VASCONCELOS  JARDIM
1773 / 1854
Pedras Brancas, hoje Guaíba (RS)
Esse rico estancieiro de Pedras Brancas (Guaíba), foi eleito Vice-Presidente da República Rio-Grandense, em Piratiní (RS), aos 06-11-1836


CASA  DE  GOMES JARDIM
Na frete o cipreste farroupilha, à sombra do qual foi traçado o plano da invasão de Porto Alegre (RS), ocorrida aos 19 e 20 de setembro de 1835


ANTÔNIO  DE  SOUZA  NETTO
17-02-1795 / 07-07-1868
Rio Grande (RS)
Líder Farroupilha que proclamou a  República Rio-Grandense  11-09-1836 / 28-02-1845

A Província fica desligada das demais do Império e forma um 
ESTADO  LIVRE  E  INDEPENDENTE
 com o Título de:     
REPÚBLICA  RIO-GRANDENSE
 cujo manifesto às nações civilizadas se fará competente. 
Camaradas !   Gritemos pela primeira vez:   
VIVA  A  REPÚBLICA  RIO-GRANDENSE
      Viva a nossa Independência  


DAVID  JOSÉ  MARTINS - Canabarro
22-08-1796 / 12-04-1867
Livramento (RS)
Líder Farroupilha que Proclamou a  República Catarinense  -  24-07-1839 / 15-11-1839
RECUSOU  A  OFERTA  DE  AJUDA DO DITADOR ROSAS
Saiba V. Exª que o primeiro argentino que passar para o lado de cá do rio Uruguai derramará o seu próprio sangue, com o qual assinaremos a PAZ com o Império do Brazil


BENTO  GONÇALVES
Preso no "Combate da Ilha do Fanfa" (04-10-1836), encarcerado do navio Presiganga, mandado para a Côrte, sendo encarcerado no Forte Stª Cruz (Rio de Janeiro) e depois enviado para o Forte S. Marcelo ou Forte do Mar (Salvador - Bahia) - donde fugiu.


FORTE SÃO MARCELO
(Vista aérea)
Também chamado de Forte do Mar 
(Salvador-BA)
Onde o libertário herói gaúcho BENTO GONÇALVES DA SILVA esteve preso em 1837


Homenagem do Centro Gaúcho da Bahia 
 Setembro de 2009
Placa na cela onde o libertário herói gaúcho BENTO GONÇALVES DA SILVA esteve preso em 1837


A  PLACA
Minha neta NICOLLE e meu filho MOISÉS
reverenciando a memória do libertário herói gaúcho Bento Gonçalves da Silva - 2010


Cela onde o libertário herói gaúcho Bento Gonçalves da Silva esteve preso em 1837


ANTÔNIO  VICENTE  DA  FONTOURA
08-07-1807 / 20-10-1860
Cachoeira (RS)
Esse gaúcho nasceu em Cachoeira, enquanto pertencia à Rio Pardo e por essa razão muitos afirmam que ele era rio-pardense.
Embaixador Plenipotenciário dos Farroupilhas
Ilustre cachoeirense, negociou com o Império do Brazil, a Paz de Ponche Verde, finalmente assinada aos 01-03-1845


LANCHÕES  
Seival  Farroupilha
Eram três lanchões, porém o Caçapava naufragou ainda na Lagoa dos Patos.
Percorreram por terra, o trajeto de nove léguas em 9 dias, entre a Lagoa do Casamento (prolongamento ao norte da Lagoa dos Patos)  e  o arroio Tramandaí
O lanchão Farroupilha naufragou logo que foi lançado ao mar, na fóz do arroio Tramandaí (RS)



Como foram transportado os LANCHÕES



ANITA  GARIBALDI
Ana de Jesus Ribeiro -
1821 / 04-08-1849
Laguna (SC)
Amansebou-se com Geoseppe Gribaldi


CASA  DE  ANITA
Laguna (SC)


ARMAMENTO  FARROUPILHA
Espadas, Lanças, Pistolas (orelha de lebre), Complains (carregadas p/ boca), Trabucos (Nagant) e Canhões (boca-de-fogo) - mas, as armas principais eram CAVALOS.


LANCEIRO  FARRAPO e suas LANÇAS
Improvisadas de facão ou de tesoura, meia-lua, estucadeira, aduncadeira e palometa, faltando a cruzeta


CARGA  DA  CAVALARIA  FARRAPA
Contra a infantaria imperial


LANÇA  FARRAPA
Contra espada imperial


Estancieiros farroupilha


Fazendeiros farroupilha


Proclamação da República RIO-GRANDENSE, nos campos do Seival (Bagé, RS), aos 11-09-1836


CENTAURO  FARRAPO  DE  LANÇA


LANÇA  FARRAPA
Contra espada imperial


DUELO  FARROUPILHA
 Entre Bento Gonçalves  e  seu primo Onofre Pires
27-02-1844


Lanceiro farroupilha contra milico imperial


Lanceiro-negro de Canabarro peleando com um oficial do Império 


CENTAURO  FARRAPO  DE  TRABUCO
Usando seu Nagant

"Trabuco de cinco tiros,
Pela culatra embalado,
Que depois de carregado
Cospe fogo a torto e mocho.
Se não mata, deixa coxo,
Seu berro é como um trovão,
Num alvo, de sopetão,
Em guapo de bagos roxo."
                                                              Otávio Peixoto de Melo



Marco Memorial 
da 
PAZ  DE  PONCHE  VERDE 
assinada pelos Farroupilhas, aos 28-02-1945 
e  pelos Legalistas, aos 01-03-1845





GOVERNO  FARROUPILHA


PIRATINÍ
 1ª Capital Farroupilha
1836 / 1839
Sede do Governo


PIRATINÍ
 1ª Capital
1836 / 1839
Casa dos Ministérios


CAÇAPAVA
 2ª Capital
1839 / 1840
Casa dos Ministérios


 Capital Ambulante
1840 / 1842
Lavras, Bagé, São Gabriel  e  Rosário

"Velha carreta pampeana
Desengonçada e capenga,
Foste a maior andarenga
Que o RIO GRANDE conheceu.
Hoje, a ninguém, pouco importa,
No museu das coisas morta,
O progresso te esqueceu."
                                                              Apparício Silva Rillo


ALEGRETE
3ª Capital  
1842 / 1845
Casa dos Ministérios


DILIGÊNCIA  GAÚCHA
Gaúchos que haviam debandado para o vizinho Uruguai, retornam ao Pago


Famílias de Estancieiros e de Fazendeiros retornam o seu labor


Os donos procuram o que restou de seus rebanhos


Remarcam os animais velhos e marcam os novos


Apartam o gado alheio que não lhe pertence, porque buscam a PAZ


FOGO-DE-CHÃO
O chimarrão retorna em paz




TAURAS  e  MAULAS
GAÚCHOS


OSÓRIO, Manuel Luís
10-05-1808 / 04-10-1879
Conceição do Arroio (Osório-RS)
Esse cantauro comandando a poderosa e ligeira  Cavalaria Gaúcha
peleando ao lado dos brasileiros imperiais, na sangrenta
Guerra do Paraguai  
1864 / 1870


JOSÉ  GOMES  PORTINHO
1814-1886
Cruz Alta (RS)
MIlitar logístico da cavalaria gaúcha na  Guerra do Paraguai  -  1864-1870


PINHEIRO MACHADO, José Gomes
08-05-1851 / 08-09-1915
Cruz Alta (RS)
(Senador de Ferro)
Esse gaúcho era um ferrenho adversário do Senador Gaspar da Silveira Martins
Alguns baianos tinham o hábito de fazer pouco dos gaúchos . . .  Certa feita PINHEIRO  MACHADO cometeu um pequeno erro de português em seu discurso, ao que o sábio Ruy Barbosa lhe corrigiu . . .  PINHEIRO  MACHADO, não perdeu a calma e replicou, dizendo que se atrapalhara porque parecia ouvir rajadas de metralhadora . . . e justificou ao nobre colega Senador, dizendo-lhe que:  "Enquanto ele Ruy alisava com a bunda os bancos escolares, ele PINHEIRO MACHADO rastejava por baixo de rajadas paraguaias, defendendo a Pátria chamada BRAZIL que sustenta muitos vagabundos com altos salários."


SILVEIRA MARTINS, Gaspar da
05-08-1834 / 23-07-1901
Bagé (RS)
(Espada de Fogo - Pai dos Maragatos)
Esse gaúcho era um ferrenho adversário do Senador José Gomes Pinheiro Machado

Dizia ele: 
Morrer?  Só por uma dessas três maneiras: 
1- Num lampejo de verbo, numa tribuna . . . 
2- Domando um belo pôtro . . . 
3 - Ou, nos braços de uma linda mulher . . .  (Teve 3 mulheres, todas elas chamavam-se Adelaide e de fato, morreu nos braços da terceira, em Montevidéo).

Suas frases de efeito:
1-  Nenhum rio-grandense é estranho às armas . . .
2 - Idéias, não são metais que se fundem . . .


LANCEIROS MARAGATOS


GUMERCINDO  SARAIVA
1852 / 1894
Arroio Grande (RS)
(Maragato)
Confiança de Gaspar Silveira Martins


RAMIRO  FORTES  DE  BARCELLOS
1851-1916
Cachoeira (RS)
(Político)
Sob o pseudônimo de Amaro Juvenal, escreveu o poema ANTÔNIO CHIMANGO - a maior sátira polítca gaúcha, feita em alusão ao Dr. Antônio Augusto Borges de Medeiros, em 1915, que assim ofereceu ao dito cujo:

"Velho gaúcho - insaciável
De fazer aos mandões guerra,
Nestas páginas encerra
Por um pendor invencível,
Seu amor - incorrigível
Às tradições desta terra."

As maiores obras poéticas gaúchas, são: 
1- SANTOS VEGA  - 13.180 estrofes, de Hilário Ascasubi
2- MARTIN FIERRO - 7.210 estrofes, de José Hernandes
3- FAUSTO - 1.278 estrofes, de Estanislau Del Campo;
4- ANTÔNIO CHIMANGO - 213 esrofes de, Ramiro Fortes de Barcellos.  


CASTILHOS, Júlio Prates de
29-07-1860 / 24-10-1903
Cruz Alta (RS)
(Pica-pau)
Padrinho político de Borges de Medeiros


CAUDILHOS  REPUBLICANOS
Pica-paus


ADÃO  LATORRE
Quando novo
Bagé (RS)
Degolador oficial dos maragatos


ADÃO LATORRE
Quando velho
Morreu aos 83 anos, em Dom Pedrito (RS)
Famoso maragato degolador e seus cumparsas


A temida gravata colorada


HERMES  RODRIGUES  DA  FONSECA
1855-1923
São Gabriel (RS)
8º Presidente do Brasil, 1º Gaúcho - 1910-1914


BORGES  DE  MEDEIROS, Antônio Augusto
19-11-1863 / 25-04-1961
Caçapava (RS)
(Antônio Chimango)
O Borges governou o Pago Gaúcho, por 25 anos
Armou o RGS melhor que o Exército do Brasil


CASA  DE  BORGES DE MEDEIROS
Fazenda Irapuá
Distrito de Capané
Cachoeira (RS)







ESQUADRÃO  DE  ATAQUE
 Fuzis alemães . . .  metralhadoras norte-americanas


 PELOTÃO  DE  INFANTARIA


 METRALHADORA


FORÇA  AÉREA  GAÚCHA
O RGS possuía até uma Força Aérea -a primeira da América do Sul (a FAB foi criada em 1941)
Eram três aviões alemães - um de observação que caiu numa várzea do arroio Piquirí, em 1924 (muncicípio de Encruzilhada, RS)  e  dois de ataque-ao-solo
Onde esse vaso-de-guerra caiu, a equipe de resgate não encontrou uma roda do trem-de-pouso, que bem mais tarde o fazendeiro achou enterrada no barro de uma sanga (bossoroca).
O governo gaúcho já tentou comprar essa relíquia histórica, mas o fazendeiro
NÃO VENDE POR PREÇO NENHUM


FLORES  DA  CUNHA, José Antônio
05-03-1880 / 04-11-1959
Livramento (RS)
(Chimango)
Afilhado político de Borges de Medeiros


ASSIS  BRASIL, Joaquim Francisco de
29-07-1857 / 24-12-1938
São Gabriel (RS)
Maragato exímio atirador
Foi um dos mais ricos e proeminentes gaúchos - formado em Direito, Diplomata, Poeta, Escritor, Político e Empreendedor . . .
Inventou a bomba-de chimarrão com mil furos, importou o primeiro plantel de gado Jersey leiteiro.
Casou-se com sua "amada" Cecília Prates de Castilhos (irmã de seu adversário político Júlio Prates de Catilhos);  ela não gostava da vida rural pela qual ele era apaixonado e para convecê-la lhe prometeu construir um CASTELO na sua Fazenda em Pedras Altas, município de Pinheiro Machado (RS).

NOTA:  Aquela localidade chamava-se Cacimbinhas - mas, o Gov. Borges de Medeiros rebatizou-a de PINHEIRO MACHADO
em provacação antagônica ao seu maior adversário - Assis Brasil
(que destestava o Senador de Ferro)


ESPADA  E  BRASÃO  DO  "RGS"


 Vista da frente com lateral do CASTELO de Assis Brasil, em Pedras Altas, Pinheiro Machado (RS)


Outro ângulo da frente do castelo

 
 No Castelo ainda há a sua BIBLIOTECA com mais de mil volumes


Na ornamentação do jardim há canhões (boca-de-fogo), tomados dos seus adversários chimangos, nas diversas vitórias de combates e batalhas.


CARRO  INGLÊS
No qual Assis Brasil trouxe sua amada para o castelo, após o casamento


CARRO  AMERICANO
Um dos primeiros veículos auto-motor imporatdos que vieram para o RGS e no qual o casal fez sua última viagem, juntos

Estábulo de ordenhação do seu PLANTEL - Jersey leiteiro


ASSIS  BRASIL  e   SANTOS  DUMONT
O mineiro Alberto Santos Dumont tinha o hábito de escarnecer dos gaúchos, dizendo que eram balaqueiros e que eram ruins de pontaria . . .  Então ASSIS  BRASIL lhe desafiou a apoiar uma fruta maçã sobre a cabeça que ele (Assis Brasil) ia espatifar ela com uma bala . . .  Santos Dumont duvidou, colocou a maçã na cabeça e não esperava que aquela proposta fosse verdadeira - quando ouviu um tiro e viu voar pedaços de maçã pra todo lado. - Quase se borrou . . .


HONÓRIO  LEMOS
23-12-1864 / 30-09-1930
Cachoeira (RS)
(Leão do Caverá - Maragato)


JOSÉ  ANTÔNIO  MATTOS  NETTO
26-06-1854 / 1948
Estância do Jaguarão (Uruguai)
(Zeca Neto - Maragato)


Assinatura do ARMISTÍCIO e depois Tratado de PAZ de Pedras Altas - 14-12-1923
- Gen Setembrino (Chimango 1º à esquerda)  e  Assis Brasil (Maragato 1º à direita)


Gaúchos (Maragatos e Chimangos unidos pela única vez) 
amarraram seus PINGOS no obelisco da Av. Rio Branco 
(Rio de Janeiro-RJ), 
empossaram e garantiram a gorvernabilidade de Getúlio


GETÚLIO  DORNELES  VARGAS
1882-1954
São Borja (RS)
14º Presidente do Brasil, 2º Gaúcho - 1930-1945


OSWALDO  EUCLYDES  DE  SOUZA  ARANHA
1894-1960
Alegrete (RS)
1º Secretário Geral da ONU
Em seu mandato foi recriado o Estado de Israel


JOÃO  NEVES  DA  FONTOURA
1887-1963
Cachoeira (RS)
Diplomata


NERO  MOURA
1910-1994
Cachoeira (RS)
Brigadeiro do Ar
FAB, FEB - 1944-1945


JOÃO  BATISTA  MASCARENHAS  DE  MORAES
13-11-1883 / 17-09-1968
São Gabriel (RS)
Marechal Cmt da FEB - 1943-1945


GETÚLIO  DORNELES  VARGAS
1882-1954
17º Presidente do Brasil, 3º Gaúcho - 1951-1954


JOÃO  BELCHIOR  MARQUES  GOULART
1919-1976
São Borja (RS)
23º Presidente do Brasil, 4º Gaúcho - 1961-1964


ARTUR  DA  COSTA  E  SILVA
1899-1969
Taquarí (RS)
26º Presidente do Brasil, 5º Gaúcho  - 1967-1969


EMÍLIO  GARASTAZÚ  MÉDICI
1905-1985
Bagé (RS)
27º Presidente do Brasil, 6º Gaúcho - 1969-1974


ERNESTO  GEISEL
1907-1996
Bento Gonçalves (RS)
28º Presidente do Brasil, 7º Gaúcho - 1974-1979


LEONEL  DE  MOURA  BRIZOLA
1922-2004
Carázinho (RS)
Engenheiro e Político




INTELECTUAIS 



ÉRICO VERÍSSIMO
1905-1975
Cruz Alta (RS)
Criou e escreveu:  O Tempo e o Vento


DANTE   DE  LAYTANO
1908-2000
Porto Alegre (RS)
Escreveu:  História da República Rio-Grandense


BARBOSA  LESSA, Luís Carlos
 1929-2002
Piratiní (RS)
Criou e escreveu:  O Sentido e o Valor do Tradicionalismo


PAIXÃO  CÔRTES, João Carlos 
1927
Livramento (RS)
Pesquisou e escreveu:  Danças e Andanças da Tradição Gaúcha





POETAS  

 AURELIANO  DE  FIGUEIREDO  PINTO
1898-1959
Tupanciretã (RS)
Autor da poesia:  Tobiano Capincho


 JAYME  CAETANO  BRAUN
1924-1999
São Luís Gonzaga (RS)
Autor:  Coleção Pampa


 APPARÍCIO  SILVA  RILLO
1931-1995
Porto Alegre (RS)
Autor:  Pago Vago






DECLAMADORES


PATROCÍNIO VAZ ÁVILA
1938
Livramento (RS)
Declama:  Romance do Arrendador



ODILON RAMOS
(me enviem a data de nascimento desse Declamador)
Caraá (RS)
Declama:  Que Diacho!  Eu Gostava do Meu Cusco






MÚSICOS


PEDRO  RAIMUNDO
1906-1973
Imaruí (SC)
(Foi motorneiro em PoA e se tornou gaúcho de coração)
Compôs, tocava e cantava:  Adeus Mariana (esse shotis foi o despertar da TRADIÇÃO GAÚCHA)


 ADELAR  BERTUSSI
1923-1996
Caxias do Sul (RS)
Compôs, tocava e cantava:  Cavalo Preto


 Tio  BILIA
1906-1991
Stº  Ângelo (RS)
Criou e tocava:  Missioneira


LUÍS CARLOS BORGES
1953
Stº Ângelo (RS)
Compôs, toca e canta:  Romance da Tafona


NOEL GUARANY
1941-1998
Bossoroca (RS)
Tocava e cantava:  Payador, Pampa e Guitarra

"Guitarra é china delgada,
Que um dia chegou da Ibéria,
Para tornar-se gaudéria
Da Pampa venta-rasgada.
Ao payador amasiada,
Nas soledades charruas,
Morando em quartos-de-lua,
Guitarra e Lua são gêmeas
E DEUS não fez duas fêmeas,
Mais lindas do que essas duas."
                                                                         Jayme Caetano Braun


CENAIR  MAICÁ
1947-1989
Tucunduva (RS)
Tocava e cantava:  Baile do Sapucay


PEDRO  ORTAÇA
1942
São Luís Gonzaga (RS)
Toca e canta:  Bailanta do Tibúrcio


JOSÉ CLÁUDIO MACHADO
1948-2011
Tapes (RS)
Canta:  De Como Cantar Um Flete
       As Armas Que Conheço


JOÃO DE ALMEIDA NETO
1956
Uruguaiana (RS)
Compôs, toca e canta:  Fogo de Macho


MANO  MONTEIRO
1961
Stª  Maria (RS)
Ao Bandoneón, executa:  La Serruchada





OS  "MELO"  BARULHENTOS

Minha esposa DALVA (1940)  e  Eu (1939)
Violino  e  Bandoneón
(Atracados na rancheira:  Mate Amargo)


Minha esposa DALVA
1940
Violão
(Executando o: Hino Rio-Grandense)


Meu irmão DIDI MELO
1941
Acordeón e Voz
(Tocando e cantado o shotis:  Seu Calça Larga)


Minha irmã FRANCISCA  MELO 
1943
Bandoneón
(Executando o tango gaúcho:  Por Una Cabeça


Meu irmão JOSÉ  MELO
1946
Cordeona, Acordeón, Violão e Voz

"Cordeona de oito soco
E duas ileiras de botão.
Cruzaste rios e oceano
Pra se arranchar neste chão
E te tornaste mais xucra
Que baba de redomão."
                                                                   Jayme Caetano Braun


Minha esposa DALVA (1940)  e  minha filha HELENITA (1964)
No CTG José Bonifácio Gomes (Cachoeira do Sul-RS)
Violino  e  Violão


Meu filho HELINTON
1966
Violão


Minha nora MADALENA
1966
Piano


Minha nora VALDIRENE
1975
Voz


Minha esposa DALVA (1940)  e  minha filha DÉBORA (1979)
Dupla de Violinos


Meu sobrinho LEANDRO NORONHA MELO
1968
Cordeona

Meu neto JOÃO PEDRO
1998
Bombardino


Minha neta NICOLLE (1999)  e  sua mãe VALDIRENE (1975)
Dupla Vocal 







NOSSAS  RIQUEZAS
ARREMATE


GAÚCHO  ANCIÃO  E  CAMPEREANDO


GAÚCHA  ANCIà E  PILONEANDO


GAÚCHO  CHIMARREANDO


GAÚCHOS  CHIMARREANDO
Enquanto o churrasco assa


MANADA


EXAMINANDO  PATA  EXTROPIADA


RAIO  FULMINOU  ESSE  CAVALO


CARRETA
(para 50 arrobas)


CARRETA
(para 75 arrobas)


CARROÇA  PORTUGUESA


CARROÇA  ALEMÃ


CARRO  INGLÊS  TOLDADO


CARRO  INGLÊS  DESTOLDADO


CARRO  AUSTRÍACO  CONVERSÍVEL


REPONTANDO  TROPITA


PARANDO  RODEIO


MARCANDO 


REBANHO  DE  NELORE


APARTANDO


REPONTANDO  

EMBRETANDO  

CARNE  MARMORIZADA  


REBANHANDO 

PASTOREANDO 


OVINOCULTURA  INTENSIVA


OVINOCULTURA  EXTENSIVA 


BOMBIANDO 

CEIFANDO  TRIGO
Na primeira metade do século XX


TRILHANDO  ARROZ
Na primeira metade do século XX 


COLHENDO  SOJA
Na segunda metade do século XX


PARREIRAL


COLHENDO 


TRANSPORTANDO 


CLASSIFICANDO 

CARBONÍFERA


COZINHA  DE  ESTÂNCIA


MARCO  DIVISÓRIO  
República Rio-Grandense  / Uruguai

"Mas, entre rios e oceano
 Existe uma linha seca,
 Que é fechada de cerca
 E por ali não tem perigo.
 Além do mais meu amigo,
 Os vizinhos são de estima,
 Uruguai e Argentina,
 Gente de grande amizade
 E do outro lado a irmandade,
 Os de Santa Catarina."
                                                     (Valentim Pinto Flôres)



Três-ontonte:  Capitania do RIO GRANDE

Ontonte:  Província do RIO GRANDE DE SÃO PEDRO

Ontem:  República RIO-GRANDENSE

Hoje:  Estado do RIO GRANDE DO SUL

Amanhã:  País dos GAÚCHOS

                                                                            
"E assim foi feito este RIO GRANDE,
 Este potreiro abençoado,
 Fechado por um costado
 Pelo oceano bravio,
 Por onde só de navio
 Pra chegar nesse pára-peito,
 Pois de outra forma, não tem jeito;
 De avião, só vindo por cima
 Mas, pra descer nesta campina
 Tem de chegar com respeito."
                                                     (Valentim Pinto Flôres)



O taura da foto é alguém que ama extremamente o RIO GRANDE DO SUL e tráz no seu sangue o amor por esse chão gaúcho . . .

"Sangue crioulo de um povo
 Vindo da raça nativa;
 Misturado com biriva,
 Imigrante, índio crú;
 É preto, é branco, é xirú
 Mas tudo é cria especial;
 Indiada xucra e bagual
 Que com honras e devoções,
 Conservaram as tradições
 Deste  RIO GRANDE  imortal."
                                                         (Valentim Pinto Flôres)



FIM




NOTA:  Se você tem conta no "gmail" - eu gostaria de ter o seu comentário no espaço apropriado logo abaixo.  
                                                                                                                                                  O autor

7 comentários:

  1. Nossa história foi marcada por muitas lutas,que bom que hoje só resta a lembrança do passado,que maravilha poder conhecer um pouco mais dos nossos mártires,dos nossos heróis,como me sinto feliz em poder abrir esta pagina e me deparar com esta cultura,com este homem que gosta de cultivar o melhor da história do nosso povo,como é bom saber que existem pessoas que se preocupam em mostrar a sua história para todos os povos,não me canso de dizer senhor "OTAVIO"muito obrigado,muito obrigado abraços.

    ResponderExcluir
  2. Prezado Otávio,
    Parabéns pela maravilhosa pesquisa disponibilizada aqui no blog "Maragato Assessoria"!
    Vou reproduzir algumas delas no blog "Imagens Históricas", junto a algumas outras referentes aos mesmos temas!
    Um forte quebra-costelas!
    Bruno Farias
    Organizador do acervo
    www.imagenshistoricas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Maragato Véio, eu me orgulho de ser teu amigo...
    Parabéns pelo Blog que está pra lá de especial.
    O trabalho é de fundamento, está bem apresentado do ponto de vista visual. A organização cronológica está impecável. E as fontes históricas são plenamente confiáveis.
    Obrigado pela tua amizade Xirú véio! Que Deus lhe abençoe Sempre... Um baita abraço do tamanho do Rio Grande. SUCE$$O!!!

    ResponderExcluir
  4. Meu amigo não nos conhecemos pessoalmente mais já conheço o senhor e sua linda família por este blog,obrigado por me deixar conhecer parte da sua sua vida,da sua história,não sei como realmente agradecer sua bondade,sua amizade,que deus lhe de saúde,paz e muita união junto da família e amigos,incluindo eu é claro,muito,muito obrigado meu amigo "MARAGATO"

    ResponderExcluir
  5. É uma preciosidade!
    Além de resgatar a história do RS, consegue inserir a sua própria história e da família de uma maneira singular.
    Vou sugerir ao Museu Municipal Edyr Lima que visite o seu blog.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  6. Uma preciosidade ver essas fotos. Nosso torrao gaucho! Que saudades de ti. Amigo Otavio! PARABENS! realmente muito bom deixar a historia gaucha viva em nossa mente e estas ilustraçoes sao fantasticas.

    ResponderExcluir